segunda-feira, 28 de novembro de 2016

QUEM SERÁ O PRÓXIMO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE?

PARTILHAR

Depois de 28 de Novembro de 1975, passados 41 anos, é esta a pergunta que se coloca face às eleições de 2017

Após a revolução dos Cravos que colocou fim ao regime fascista português, em 1974, o processo de descolonização de Timor-Leste começou a ganhar forma na célebre Conferência de Macau realizada em 1975 porque se tinha acordado a realização de eleições para a Assembleia Constituinte, o que não veio a acontecer, devido aos conflitos partidários e à instabilidade que se começou a viver no País.

Em 28 de Novembro de 1975, faz precisamente 41 anos, na tentativa de travar a invasão da Indonésia, pela voz de Francisco Xavier Amaral, a FRETILIN decidiu proclamar a independência de Timor-Leste. Depois do referendo de 1999, em que 78,50 por cento dos timorenses rejeitaram a autonomia especial na Indonésia, as primeiras eleições presidenciais, realizadas em 2002, deram a vitória esperada ao candidato Kay Rala Xanana Gusmão. Em 2007, na segunda volta, o candidato José Ramos Horta venceu as eleições, e em 2012, o candidato Taur Matan Ruak foi o vencedor.

O actual Presidente da República de Timor-Leste, General Taur Matan Ruak, já anunciou que não se vai recandidatar, ao que tudo indica, por estar na génese da criação do Partido de Libertação Popular (PLP), prevendo-se que venha a ser o futuro presidente do Partido, portanto, deverá concorrer às eleições legislativas, também agendadas para 2017.

De resto, num encontro ocasional registado no passado dia 12 de Novembro, a propósito de mais um aniversário do Massacre de Santa Cruz, na presença de membros do governo e de vários grupos de Organizações da Juventude, o Presidente da República abraçou o candidato presidencial António Maher Lopes de forma efusiva, não se conteve, e muito sorridente disse alto, e em bom som, “apoiem o António Lopes”, o que demonstra claramente que não será candidato, para além de ter publicamente manifestado a simpatia e o apoio a António Maher Lopes/Fatuk Mutin.

Perante este cenário, com a proximidade das eleições presidenciais em Timor-Leste previstas para Março de 2017, é normal perguntar, quem será o Presidente da República de Timor-Leste a ser eleito em 2017?

Antes de arriscar uma resposta a esta questão, um pouco como que a procurar fundamentos minimamente coerentes e racionais, tentando ser o mais imparcial possível, proponho uma breve análise em torno de factos e ilações daí decorrentes.

Os candidatos actuais são António Maher Lopes/Fatuk Mutin, o candidato independente da nova geração que tem o apoio incondicional do Partido Socialista de Timor (PST), e como demonstrei, ainda que informalmente, também do Presidente da República; José Neves, um candidato independente, muito recentemente surgiu um outro candidato que o nome não me vem à memória, e há a hipótese, cada vez mais remota de José Ramos Horta e Francisco Guterres/Lu´Olo (Presidente da FRETILIN) serem também candidatos presidenciais.

Em relação a José Ramos Horta, que prometeu publicamente tomar uma decisão em Outubro passado, estamos agora em finais de Novembro, remeteu-se ao silêncio, desde logo, devido ao surgimento do forte candidato António Maher Lopes/Fatuk Mutin, apoiado pelo PST, portanto, é quase certo, não irá recandidatar-se, principalmente por falta de apoio popular. No caso de efectivar a candidatura, com grande probabilidade, será derrotado, e de forma humilhante, pelo que, não me parece que queira correr esse risco.

No que diz respeito ao Presidente da FRETILIN, Francisco Guterres Lu´Olo, estava-se na expectativa de haver notícias a esse respeito no último dia do Congresso do Partido que se realizou em Outubro passado, em Díli, mas, tal não aconteceu, circulando rumores de que aguardam o hipotético apoio do Presidente do CNRT, Kay Rala Xanana Gusmão, para finalmente tomarem uma decisão que tarda.

O primeiro sinal concreto de mudança no sentido de que irá ser eleito em 2017 um candidato da nova geração também se pode inferir a partir dos dados sobre os eleitores. De acordo com os últimos dados eleitorais, haverá em Timor-Leste qualquer coisa como 728.363 eleitores, 153 mil em Díli. Do total de eleitores, e temos aqui outros factos, mais de metade (51 por cento) têm idade compreendida entre 17 e 35 anos, portanto, uma fatia de jovens que procura e deseja a mudança, não se revendo nas figuras de candidatos do passado, os chamados líderes históricos, que identicamente já reconhecem que é preciso dar lugar à nova geração.

É preciso não esquecer que há uma ausência de progresso do nosso Estado, resultante das políticas adoptadas para a construção desse mesmo Estado, em que é visível, todos os dias, as lamentações das populações mais desfavorecidas, por não conseguirem meios de subsistência, meios para recorrer aos serviços de saúde e para a educação dos filhos, pela incapacidade de concorrerem em todos os sectores de produção económica.

Muitos dos que lutaram na mais difícil frente da luta pela Libertação da Pátria sentem-se hoje, mais do que nunca, marginalizados no processo de Construção do Estado e levam uma vida de fome sobrecarregada.

Cada vez mais, existe a consciência de que a Frente Clandestina desempenhou, principalmente depois da década de 80, um papel preponderante, mesmo determinante, e já não coadjuvante, na mobilização integral da população na luta política urbana e na mobilização de recursos materiais para assegurar a sobrevivência da Luta Armada, e foram esses mesmos combatentes que levaram e implantaram a Guerrilha Política e Urbana em toda a Indonésia, factor esse que contribui para acelerar a queda do regime de Soeharto e permitiu ao novo Presidente Indonésio definir a solução do conflito de Timor-Leste.

Assumindo que o rumo da construção do Estado e do Desenvolvimento Nacional chegou ao estádio onde se cristalizam as maiores vertentes de várias ordens de discriminação sobre os mais pobres, os mais frágeis, os de menor poder político, cultural e económico, estas impostas pelas regras da livre concorrência e do neo-liberalismo, tudo indica, o candidato António Maher Lopes/Fatuk Mutin, proveniente da Frente Clandestina, conhecido em Timor-Leste pelo papel que desempenhou na luta clandestina, profundamente ligado à cultura tradicional, com o apoio incondicional do Partido Socialista de Timor (PST) e dos combatentes da Brigada Negra, possui as condições e os requisitos necessários e suficientes para ganhar as eleições presidenciais em Março de 2017.

Portanto, e recordando a data histórica da proclamação da independência em 28 de Novembro de 1975, Francisco Xavier Amaral, sustentado pela FRETILIN, foi o primeiro Presidente da República de Timor-Leste. António Maher Lopes / Fatuk Mutin, apoiado pelo Partido Socialista de Timor (PST), será o Presidente de Timor-Leste a ser eleito em 2017.

*M.Azancot de Menezes* também colabora em Timor Agora

Texto de M. AZANCOT DE MENEZES** – em Jornal Tornado – Foto: Comissão Nacional de Eleições

**Secretário-Geral do PS Timor e Pró-Reitor da Universidade de Díli (UNDIL).
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

1 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns.