sábado, 29 de outubro de 2016

Timorenses votam para eleger chefes locais nos 442 sucos de todo o país

PARTILHAR

Os timorenses estão a votar desde o início da manhã para eleger os seus novos líderes locais, com longas filas em vários pontos de Díli, hoje mais tranquila do que o habitual devido aos feriados da próxima semana. 

Os feriados religiosos comemorados em Timor-Leste na próxima terça e quarta-feira levaram muitos dos habitantes da capital a viajar para o resto do país, pelo que o movimento hoje é muito mais reduzido. 

Em todos os locais de voto, porém, e como comprovou a Lusa, há longas filas de eleitores, para um processo onde deixa de existir um dos símbolos mais característicos: o dedo marcado a tinta roxa como comprovativo de terem votado.

Rui Maria de Araújo, chefe do Governo, pode comprovar as longas filas quando foi votar na Escola Básica Central de Bidau, na aldeia de Bedik, suco de Bidau Acadiru Hun e subdistrito de Nain Feto, na parte oriental da capital, onde há cerca de 900 eleitores.

Apesar de viver na residência oficial no bairro do Farol, Rui Araújo foi votar à escola da sua aldeia, onde há três candidatos a chefe de suco, três a chefe de aldeia e seis a cargos de delegados e delegadas.

"Eu creio que vai haver uma participação elevada. Dei uma volta por alguns pontos da cidade e vejo longas filas de pessoas a votar. É bom, é sinal de que o entusiasmo relativamente ao processo democrático a nível da comunidade mantém-se", explicou à Lusa.

O primeiro-ministro sublinhou o facto de as eleições ocorreram no arranque do processo de desconcentração administrativa, com o voto local a ser da responsabilidade dos conselhos de suco, com o apoio do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) e supervisão da Comissão Nacional de Eleições (CNE).

"É o primeiro teste depois da transferência dos poderes delegados para os municípios, entre os quais o poder de organizarem as eleições para os níveis comunitários", sublinhou.

Rui Araújo destacou o "novo fenómeno" que foi a apresentação de um largo número de mulheres e de jovens como candidatos aos cargos de líderes locais, "um bom sinal de que os jovens estão cada vez mais engajados no processo de participação democrática".

"As candidaturas não são feitas a partir dos partidos políticos, apesar de haver candidatos afiliados a partidos políticos. De uma forma subtil os partidos políticos encorajam os seus militantes a votar, mas não há simbologia e isso é positivo, especialmente para não partidarizar demasiado este processo, construindo um sentido de comunidade e não de divisão política", afirmou.

Luis Caldeira Martins, o atual chefe de aldeia e um dos três candidatos, explicou à Lusa que desde que abriram as urnas, às 07:00 hora local (23:00 de sábado em Lisboa) se têm mantido as filas.

Cenas idênticas repetiam-se nos vários locais de voto instalados em escolas ou outras infraestruturas públicas, como é o caso da Aldeia 05, no suco de Mascarenhas, próximo do antigo quartel da polícia militar indonésia onde os eleitores têm à escolha sete candidatos.

O mesmo ocorre no local de votação instalado na esquina das ruas Caju Laran e Tuana Laran, próximo da catedral timorense, onde a fila de voto se prolonga pela rua e ao longo do passeio.

Em Campo Alor, próximo da mesquita de Díli, os eleitores podem escolher entre três candidatos, incluindo uma mulher, Alcina Carvalho dos Santos, 48 anos, que explica à Lusa que, se for eleita, "quer juntar a comunidade e apresentar um plano para o desenvolvimento do suco".

O suco inclui três aldeias (Aitarak Laran, Hamahon e Rai Laran) e abrange a zona de várias embaixadas. Alcina dos Santos explica que o maior problema é a falta de água potável.

"As mulheres têm que participar, pelo futuro do suco e da nossa comunidade. Se for eleita quero trabalhar com o povo para colaborarmos e melhorarmos as nossas condições de vida", explica.

As urnas aqui, como no resto do país, fecham às 15:00 e prevê-se que, no domingo, se reúnam os Conselhos de Suco para apurar os resultados finais, ainda que o processo não fique terminado.

Em sucos onde não seja necessária segunda volta, decorrem a 09 de novembro as reuniões dos Conselhos de Suco, para designar os Lian-na´in ("senhores da palavra", as autoridades tradicionais) e eleger os representantes da juventude no Conselho de Suco.

Onde seja necessária segunda volta para a eleição do chefe de Suco, a eleição dos Lian-na'in e dos Representantes da Juventude ao Conselho de Suco decorre a 24 de novembro.

2.071 pessoas, incluindo 319 mulheres, apresentaram-se como candidatos à eleição das autoridades locais e tradicionais dos 442 sucos do país, segundo dados do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE).

Os cerca de 720 mil eleitores estão a escolher os responsáveis nos 442 sucos (equivalentes a freguesias), que passam a ser geridos por quatro estruturas: Conselho de Suco, chefe de Suco, Assembleia de Aldeia e chefe de Aldeia.

SAPO TL com Lusa 
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: